sábado, 7 de outubro de 2017

Lido: Llegar a la Orilla

Após um início auspicioso, a antologia em que se insere o conto Llegar a la Orilla, de Guillermo Lavín, tinha vindo a desiludir mas com este conto voltou a terreno positivo. Inspirado por Ray Bradbury e pelo ciberpunk, este é um conto bem escrito, ambientado num futuro distópico, sobre um rapaz pobre que tem uma ambição: receber uma bicicleta moderna pelo natal. Mas é pobre: o pai, trabalhador não especializado, ficou viciado anos antes ao ser-lhe implantado um chip que era exigido pelo contrato celebrado com a companhia que o empregava, estoira boa parte do parco dinheiro que ganha para alimentar o vício, e por isso não tem possibilidade de lhe dar o que ele quer. Quando o compreende, decide ser ele a dar um presente ao pai, algo que lhe iria facilitar sobremaneira a vida. Mas como, se não tem dinheiro?

Bem... há sempre uma solução.

É um conto bem escrito, como já tinha dito. Também é um conto bem concebido, com bom ritmo e o tamanho certo para a história que conta, uma ambientação interessante e personagens credíveis, ainda que haja que forçar um pouco a suspensão da descrença para engolir a ideia de chips que causam dependência e entram em curto-circuito ao serem implantados. Aprovado.

Contos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário