sábado, 14 de janeiro de 2017

Lido: Não é o que Ignoras o Motivo da tua Queda mas o que Pensas Saber

Um dos subgéneros mais comuns na ficção científica internacional, e talvez aquele que é mais maltratado por escritores que não conhecem o suficiente do género para evitar cair em todos os seus muitos clichés, é a FC mais ou menos ufológica, centrada em visitas ou invasões de criaturas extraterrestres. Não por acaso: A Guerra dos Mundos de Wells é dos tais livros que toda a gente acaba mais tarde ou mais cedo por ler, e há abundância de material audiovisual construído à volta do mesmo tema, já para não falar de todo o History Channel e da muita divulgação que tem há largas décadas a pseudociência ufológica.

Não é o que Ignoras o Motivo da tua Queda mas o que Pensas Saber (bibliografia), o mais verborraico título que Luís Filipe Silva publicou até hoje, insere-se nessa tradição. O cenário faz lembrar um pouco o do filme Independence Day: objetos, provavelmente naves, aparecem nos céus da Terra e depressa começam a causar problemas. As semelhanças, felizmente, terminam aí. O que se segue é uma história que tem mais a ver com a noção de incompreensibilidade da inteligência alienígena, muito comum em Lem, e a muito citada frase de Clarke sobre a tecnologia suficientemente avançada ser indistinguível da magia, do que com o cliché habitual deste tipo de história. Além disso, trata-se de um conto bem escrito, não só no que toca simplesmente ao uso da língua, como, até certo ponto, na construção do protagonista e de algumas das outras personagens, mas também, ou talvez sobretudo, em certos detalhes estruturais que são fundamentais para sustentar o interesse do leitor até ao fim, pequenas frases ou fragmentos de frases que vão sucessivamente entreabrindo portinholas para o futuro narrativo, fornecendo vislumbres do que aí vem e voltando a fechar-se imediatamente a seguir. De bónus, um final que, apesar de todos estes vislumbres, consegue ainda surpreender.

Como consequência, esta é de caras a melhor história desta curta antologia. Uma noveleta realmente boa, para variar.

Contos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário