segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Lido: O Conde Encantado

O Conde Encantado é mais uma destas histórias recolhidas por Adolfo Coelho com um considerável potencial para expansão. Contudo, enquanto na maioria dos casos esse potencial aparece porque a história até resulta razoavelmente bem tal como está mas dá pano para mais mangas, aqui é porque está reduzida ao osso e dá mesmo sinais de talvez lhe faltarem alguns. Ossos, quero eu dizer.

Conta a história da neta de uma velha má que a detestava e fazia tudo para a maltratar, o que a leva a fugir e a arranjar emprego no castelo de um conde. Só que o conde estava encantado e transformava-se em passarinho, o que vai levar a certas peripécias e estas ao desfecho. Há qualquer coisa de Gata Borralheira aqui — algumas ideias, sobretudo — mas a história em si segue caminhos diferentes.

E quando eu sigo "segue" talvez devesse dizer "esboça", pois tudo se despacha em página e meia e há até algumas voltas de enredo que parecem simplesmente aparecer vindas do nada. Pode tratar-se do que resta de uma história complexa depois de sofrer uma degradação razoavelmente intensa ao longo dos séculos. Ou talvez o fenómeno seja outro. De qualquer forma, não é das histórias mais interessantes deste conjunto.

Contos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário