domingo, 30 de agosto de 2015

Lido: 2014 Campbellian Anthology - Ada Hoffmann

Ada Hoffmann é outra autora com três textos nesta antologia.

Feasting Alone é um conto que mistura a fantasia sobrenatural (na medida em que há almas) com uma espécie de ficção científica mais ou menos transumanista (na medida em que estas sofrem uploads para uns servidores de algo que não se chega a perceber o que é; talvez o céu, ou coisa que o valha) para contar uma historinha sobre o que se perde e o que se ganha ao deixar para trás a biologia. Tem algum interesse, mas é muito curto e falta-lhe impacto.

Blue Fever é um conto de horror protagonizado por uma cantora-da-morte, uma peculiar espécie de artista que, na sociedade aqui concebida, cantam, de forma profética, sobre a morte dos clientes ou daqueles que estes escolhem como alvos. As canções têm sempre, claro, de ser originais e pessoalizadas, e é aí que a porca torce o rabo quando o cliente é alguém poderoso e letal. E está lançado o enredo; é isso mesmo o que acontece, e o conto narra o processo de criação da canção-da-morte e das dúvidas e receios que o acompanham. Outro conto interessante mas que também não me encheu as medidas.

And All the Fathomless Crowds, em compensação, é um conto magnífico. Num mundo assolado por uma epidemia de zombies de vários tipos (ou "não-mentes", segundo a terminologia aqui usada), descreve o exame final, teórico e prático, de Sandra Chakarvarti, aluna no Departamento de Sobrevivência da Queen's University, que vai avaliar se a aluna está, ou não, em condições de sobreviver a incursões ao exterior, o que implica sobreviver às várias não-mentes com que vai deparar. O chumbo no exame é fatal. Talvez. Trata-se, claro, de uma história de sobrevivência, mas é muito mais do que isso. É um conto irónico, tenso, comovente, imaginativo, cheio de ritmo e muito interessante. Mesmo muito bom.

Sem comentários:

Enviar um comentário